Fé na humanidade 3


Cheguei em casa ontem à noite mais ou menos ao mesmo tempo que uma moça e seus três cãezinhos. Eu, cansada, uma bolsa, uma mochila, uma sacola cheia e uma furadeira, louca pra tomar um banho e cair na cama, e o terceiro cãozinho ali, recusando-se a entrar no elevador. E aí a fofura começou. Sim, muita fofura e muito amor. Filhotes fazendo traquinagens? Que nada: era o NOME do cãozinho, mesmo.

– Coltrane!
– Coltrane, entra!
– Coltrane, vem!

John Coltrane cedeu aos apelos da dona e eu não resisti:

– Os outros dois são jazzmen também?

No que a dona, aparentando uma certa satisfação por alguém ter entendido, respondeu:

– Esse é o Louie Armstrong e essa é a Nina Simone.

E eu tive minha fé na humanidade restaurada naquele momento: existem pessoas boas nesse mundo. Porque, né, chamar seus cães de John Coltrane, Nina Simone e Louis Armstrong é muito amor…


3 pensamentos em “Fé na humanidade