As cidades e o critério da bêbada


No seminário de hoje, aprendemos com Fabio Sá Earp que uma cidade, para ser criativa, deve ser um ambiente propício para a instalação de negócios, coisa que exige um alto nível de desburocratização, e atrair tecnologia. A cidade também deve atrair talentos, o que inclui tolerância às diferenças, atrações para todos os gostos e bolsos e atender ao critério da bêbada.

Risos gerais no auditório. Mas Earp conta a história de uma conhecida que largou Paris para morar em Dublin e se justificou:
– Onde mais eu vou sair da boate às 4 da manhã, vestida para matar, bêbada, e vou voltar pra casa sem que nenhum engraçadinho mexa comigo, ou coisa pior?

Não que eu beba ou saia de lugares às 4 da manhã ou me vista de maneira espalhafatosa por aí. Mas taí um critério válido para a escolha de um lugar pra morar. A pergunta é: isso é possível nos dias de hoje? ONDE???